Destaque

 

Festival exibe filmes que foram destaque em 2012 na capital paulista e em 18 cidades do interior
São Paulo – Será aberto na noite de hoje (3) o 39º Festival Sesc Melhores Filmes que exibirá 40 películas na capital paulista e em 18 cidades do interior do estado. Entre os títulos da mostra, 23 são estrangeiros e 17 brasileiros. Todas as sessões contam com audiodescrição, recurso que auxilia deficientes visuais, e legendas. Na capital, as exibições vão até o dia 25. Nos demais municípios, o festival só acaba no dia 5 de maio.
O festival é uma segunda oportunidade para ver filmes que foram relevantes no ano anterior. Entre os destaques desta edição está o documentário Tropicália, a produção pernambucana Febre do Rato e o filme russo Fausto.
Essa edição ainda prestará uma homenagem ao cineasta Carlos Reichenbach, que morreu em junho do ano passado. Por oito anos, de 2004 a 2012, Carlão, como era conhecido, realizou a Sessão Comodoro: uma vez por mês, ele exibia, no Cinesesc, filmes do seu acervo pessoal e depois debatia com o público. “O Carlão fazia parte do nosso universo, da história do Cinesesc. Quando ele faleceu, além de perder um cineasta muito talentoso, a gente perdeu um grande amigo”, ressalta a gerente de programação do local, Simone Yunes.
Poderão ser vistos pôsteres, documentos, fotos e trechos de filmes de Reichenbach. Além disso, será exibido o filme Desordem e Progresso, em que cineasta participou como realizador. “São 12 diretores do mundo todo que foram convidados para falar sobre a sua metrópole. E o Carlos Reichenbach foi o único brasileiro que participou”, conta Simone sobre o projeto de 1990.
Também faz parte da programação uma aula magna com o professor Peter C. Slansky da Faculdade de Cinema e Televisão de Munique (Alemanha). Slansky vai falar sobre o impacto das tecnologias digitais na produção para o cinema e a televisão.
A programação completa do festival pode ser vista na internet.
Edição: Lílian Beraldo
Fonte: Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil